“Matar passarinho é crime ambiental”. Em Altinópolis não é bem assim?

Autor: Nenhum comentário Compartilhe:

 

Ontem, 10/11, fomos surpreendidos em nosso escritório, que aliás estava cheio de gente, com a presença de um munícipe acompanhado de seu filho e este munícipe trazia uma informação até certo ponto DESAGRADÁVEL.

Informava o munícipe que em uma escola do município de Altinópolis, “EMEFEI Ermelinda R. S. Figueiredo”, havia sobre o telhado, uma espécie de cola, “VISGO”, cuja intenção era simplesmente abater os pombos que lá pousavam. “As aves em geral que por ventura pousarem no telhado da escola, ficam presas a esta cola, e morrem com o passar dos dias”.

Perguntei ao munícipe se ele tinha alguma prova mais concreta do acontecido; e minha surpresa foi ainda maior ao ouvir sua resposta. Relatou o munícipe que em sua casa, havia um pombinho, todo impregnado desta cola já prestes a morrer. Solicitei então que me trouxesse a ave para melhor avaliação.

A fotografia em tela, foi tirada em meu escritório. A ave, o pombinho, ainda respirava com muita dificuldade e em seguida morreu.

Ao pega-lo na mão, realmente percebi a presença de um material “Grudento” com forte odor.

Segundo informações deste munícipe, a situação de abate das aves via cola “Visgo” remonta de mais de três anos. Disse ainda que além dos pombos, outras aves já sucumbiram por conta da cola, dentre elas, beija flores, maritacas e outros passarinhos.

Entramos em contato com diretora da escola que nos informou desconhecer o caso. Reforçou a informação dizendo ter assumido a unidade escolar apenas em fevereiro deste ano.

Na secretaria de educação, ouvimos da professora Adair, também desconhecer o caso. Disse dona Adair que entraria em contato com a Secretária da Educação e esta nos telefonaria para maiores esclarecimentos, porém, até o fechamento desta matéria, não nos retornou.

Enquanto terminava este texto, recebi (Agora pouco) telefonema da diretora da escola “Ermelinda” com a seguinte informação. “A Secretária da Educação pediu para lhe dizer que se o senhor quiser algum esclarecimento sobre o produto no telhado da escola, deverá fazer uma solicitação por escrito e protocolar na secretaria”.

Uma informação absurda dessa, só pode ter partido da mente doentia do prefeito. A ordem só pode ter partido dele! Me recordo de um fato que me foi relatado há alguns anos atrás, por um profissional da saúde que ao informar o prefeito sobre a quantidade enorme de cães abandonados na cidade, quis saber dele qual a solução; e então, ouviu da boca do prefeito Nanão: “De chumbinho para eles”. Essa teria sido a resposta dada pelo prefeito!

Todos os dias morrem pássaros vitimados com a cola colocada no telhado da escola” nos relatou o munícipe que se propôs, se preciso for, depor afirmando suas denúncias. Disse ainda estar muito triste com a morte das aves, por isso me procurou para uma solução!

Um crime ambiental cometido em ambiente escolar. Uma perversidade! Sabemos que pombos em grande quantidade, podem trazer doenças, principalmente para crianças, porém, mata-los com produtos químicos, ou simplesmente mata-los, não é a maneira mais civilizada de lidar com a situação. Bastaria colocar uma tela na vazão do telhado onde os pássaros pousam e assim estaríamos impedindo que ali se aglomerassem. Há a vazão no telhado! Local propicio para procriação das aves. Culpa de quem, das aves ou de quem deixou o lugar aberto? Só faltava agora, abrirem processo administrativo e submeterem os pombinhos a interrogatório. Não duvidem. Esse prefeito é capaz de tudo!

 

Revoltado com a insanidade praticada. Assim me sinto!

Limpem aquele telhado. Retirem o produto de lá. É muita maldade!

Vamos denunciar o caso.

 

Ademir Feliciano

 

 

 

Artigo Anterior

Direito de Viver 2014- Leilão Beneficente em Santo Antônio da Alegria.

Próximo Artigo

MP pede que ex-prefeito de Pontal devolva R$ 14 milhões

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *