Após ter registro da Rede negado, Marina define hoje seu futuro político.

Autor: Nenhum comentário Compartilhe:

04/10/2013 – 03h30

 

DE SÃO PAULO

Após ver o pedido de registro da sua Rede Sustentabilidade ser rejeitado na noite de ontem (3) pelo Tribunal Superior Eleitoral, a ex-senadora Marina Silva promete anunciar ainda nesta sexta-feira, após reunião com aliados, a decisão sobre seu futuro político.

Sem a Rede, a ex-senadora precisa se filiar a outra legenda entre hoje e amanhã se quiser concorrer ao Planalto. Embora tenha recebido convites de outros sete partidos nos últimos dias, Marina tem sido aconselhada por familiares e pelos principais articuladores da Rede a ficar fora da disputa presidencial.

O argumento é que a filiação a outra sigla seria uma contradição com seu discurso de que a Rede é um projeto “de país”, não um mero empreendimento eleitoral.

Durante a reunião hoje com organizadores da Rede, também será discutida a possibilidade de recurso ao Supremo Tribunal Federal, embora a opção seja remota, segundo aliados e advogados.

VOTAÇÃO NO TSE

O Tribunal Superior Eleitoral negou o registro da Rede Sustentabilidade por 6 votos a 1, após concluir que seus organizadores não alcançaram o respaldo popular exigido pela legislação, de pelo menos 492 mil eleitores –faltaram quase 50 mil assinaturas.

“Não temos o registro, mas temos a ética”, disse Marina a aliados que a abraçaram após o fim da sessão, que ela acompanhou no plenário do TSE.

A ex-senadora chegou ao TSE de braços dados com a socióloga Maria Alice Setubal, uma das herdeiras do banco Itaú, e ao lado de articuladores da Rede e de seis congressistas que pretendiam se filiar à nova legenda.

As esperanças da Rede começaram a ruir logo no início da sessão, com o voto da relatora do processo, Laurita Vaz, que considerou “inconcebível no ordenamento jurídico” o pedido da Rede para que o TSE aceitasse quase 100 mil assinaturas rejeitadas sem justificativa pelos cartórios eleitorais nos Estados.

Os argumentos da Rede contra os cartórios foram rebatidos por vários ministros. “Ou nos submetemos à lei ou teremos o caos. Voto lamentando, mas não tenho como juíza, outra opção que não seja seguir a lei”, disse a presidente do TSE, Cármen Lúcia.

Também votaram contra a Rede os ministros Marco Aurélio Mello, Henrique Neves e João Otávio Noronha. Único a apoiar o pedido do partido, o ministro Gilmar Mendes acusou os cartórios de abuso e disse ter havido uma orquestração contra Marina.

Mendes lembrou projeto do Congresso, defendido nos bastidores pelo Planalto e pelo PT, que visava sufocar a criação de novos partidos. “É a lei mais casuística que se fez nesses últimos anos, é de se corar frade de pedra”, disse o ministro, que chegou a suspender a sua tramitação.

“Não vamos dizer agora: Ah, senadora Marina, não deixe de trabalhar, porque como sempre há Carnaval, há eleição'”, acrescentou, ironizando a atitude de outros ministros que sugeriram a Marina que continue buscando as assinaturas que faltaram para organizar sua legenda.

O julgamento de ontem ocorreu exatos três anos depois da eleição presidencial de 2010, quando Marina teve 19,6 milhões de votos e saiu das urnas como a terceira maior força política nacional.

Fonte: Folha online.

 

Artigo Anterior

Balada Sertaneja em Santo Antonio da Alegria!

Próximo Artigo

Senado suspende compras de R$ 98 mil em supermercado para residência de Renan

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *