Entenda a suspeita de fraude da “Alfalix” em Ribeirão Preto.

Autor: Nenhum comentário Compartilhe:

 

22/02/2013 – 06h11

Suspeita de fraude faz juiz vetar licitação em Ribeirão Preto

FERNANDA TESTA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE RIBEIRÃO PRETO

A Justiça de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo) deferiu uma liminar que suspende o pregão 238/2012, realizado em janeiro deste ano pela prefeitura para a contratação de serviços de roçada e limpeza em terrenos e córregos do município.

A suspeita é de fraude na licitação –tanto por parte das empresas participantes quanto pelos responsáveis pela realização do pregão.

A prefeitura, que não comentou o caso nesta quinta-feira (21), omitiu o problema à Folha há duas semanas, quando a reportagem questionou a demora para realizar a retirada de galhos e podas em terrenos do município.

A ação, que corre em segredo de Justiça, foi movida por uma das empresas que participaram do processo de licitação referente ao serviço de limpeza de terrenos e foi desclassificada no pregão.

De acordo com a liminar, as empresas Carlos A. Damasceno, Carvalho & Nogueira e Alfalix Ambiental apresentaram valor idêntico, sugerindo ajuste entre os licitantes –o que caracterizaria a ilegalidade no caso.

Outras supostas irregularidades são apontadas na decisão, como a inversão de itens na fase de apresentação de lances e a desclassificação da empresa que entrou com a ação e era a que oferecia a melhor proposta financeira dentre as participantes em ambos os itens.

Segundo a petição inicial do processo, as três empresas citadas apresentaram valor de R$ 2.801.531,26 para realizar os serviços de limpeza de terrenos. Já a empresa desabilitada ofereceu um montante menor, R$ 1.820.531,26.

Após sucessivos lances, a prefeitura declarou como vencedora do item a empresa Carvalho & Nogueira.

A Folha tentou, nesta quarta (20) e quinta (21), mas não conseguiu falar com a Alfalix Ambiental nem com a Carlos A. Damasceno sobre o assunto.

A Carvalho & Nogueira diz que a licitação é legal e que o montante oferecido está de acordo com os valores de mercado.

ROÇADA DE CÓRREGOS

Já o serviço de roçada de córregos e taludes teve como vencedora a Alfalix Ambiental. Uma segunda empresa que participa do processo também foi desabilitada. Outro mandado de segurança referente a essa licitação aguarda decisão do juiz.

Segundo Vinicius Corrêa Buranelli, advogado que representa as empresas desabilitadas, a prefeitura apresentou um pedido de reconsideração ao juiz, que não foi aceito. “Agora, a ação deve ir para o Ministério Público.”

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/ribeiraopreto/1234721-suspeita-de-fraude-faz-juiz-vetar-licitacao-em-ribeirao-preto.shtml

 

Artigo Anterior

Comissão Municipal de Saúde não assina prestação de contas apresentada em audiência publica.

Próximo Artigo

ALFALIX- Mais uma suspeita de fraude.

Confira também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *