Recebi esta matéria por e-mail e acho proveitoso dividir com vocês.

Autor: Nenhum comentário Compartilhe:

Um internauta La da Bahia, ao ver matéria do altiaqui sobre contratos de nossa prefeitura com as duas rádios locais me enviou a matéria que segue abaixo.

Diz o internauta: “Ademir veja se há alguma semelhança no que acontece ai com o que acontece aqui”.

Existem situações muito semelhantes realmente.

Eu transfiro a pergunta para nossos Internautas. Vocês conseguem ver alguma semelhança?

Alana faz revelações e fica claro que Gazeta FM é do Prefeito

A comunicadora Alana Adrielle, ex-Rádio Gazeta FM, diz ter recebido do prefeito de Riachão do Jacuipe, Lauro Falcão, propostas “indecentes” para deixar de apresentar o Programa “Hora da Verdade” e permanecer em seu grupo político. Ela gravou tudo.

Confira adiante detalhes da conversa e uma entrevista feita por Laura Ferreira, correspondente deste Portal.

Na entrevista, para não “perder” Alana Adrielle, o Prefeito acaba revelando como funciona o esquema de abuso de poder econômico que exerce no comando da Prefeitura de Riachão e a influência sobre a Rádio Gazeta FM, de concessão Comunitária. De acordo com a comunicadora, na gravação, o prefeito, bem à vontade, fala de sua pretensão com os meios de comunicação como sites, blogs, sobretudo com a radiodifusão, revelando a sua pretensão em um dia comprar a Rádio Jacuípe e conseguir aquisição de uma TV Comunitária.

Segundo Adrielle, na conversa, o prefeito comete alguns crimes, como o de improbidade administrativa, quando promete a nomeação retroativa para a comunicadora. Na gravação sua fala, assim procede: “… Vou precisar te nomear como Assessora de Imprensa da prefeitura pra você me ajudar… vou voltar aquela cota de combustível… te nomear lá tudo direitinho pra não ter esse negócio de a gente tá pagando por fora todo mês… eu vou até mandar lhe nomear com data retroativa, viu? Porque agora, eu tirei todas as gratificações dos servidores efetivos, aí como a gente tem aquele compromisso de quatrocentos reais que é para pagar a prestação do teu carro, eu vou fazer uma nomeação no valor de oitocentos tá certo?… lá pra janeiro/fevereiro que mudar de endereço que esfriar isso aí, a gente volta com teu programa.

Alana revela que, na conversa, o prefeito antecipa o resultado das eleições para a Presidência da Câmara Municipal, quando a data da gravação é no dia 08 de novembro, fala que irá pedir ajuda da Câmara ao futuro presidente, o conhecido Juninho, que ainda seria eleito só em dezembro de 2010: E assim segue sua fala: “… Como ele também vai ser presidente da Câmara, você já pode unir o útil ao agradável, posso pedir a ele para lhe dar uma ajuda via Câmara…”

Para Alana, de acordo com o áudio da gravação, o prefeito viola a Legislação de Radiodifusão Comunitária, quando deixa claro que está tentando em Brasília mudar a Rádio Comunitária Gazeta FM de local: “Eu preciso dessa concessão rápida, essa mudança rápida, porque Alberto Luiz tá me causando muitos problemas. Primeiro ele bota aquele carro na garagem, você não tem um trânsito normal para entrar, agora quer me cobrar R$ 600,00 de aluguel por mês, não fazia parte do nosso compromisso agora tá querendo me cobrar….”

Sendo assim, o prefeito Lauro Falcão, de acordo com essas informações, revela que de fato é o articulador e se comporta como dono da Rádio, ou como quem a comprou, pois aos 07:56 minutos de gravação, ela diz que ele reforça seu interesse pela mesma: “…A minha preocupação é que a gente acabe tendo ela fechada, e aí o projeto que se tem no futuro…eu tenho vontade de um dia ser deputado”…

A entrevista

Além das informações acima, segue a entrevista na íntegra, via email e por telefone, concedida pela comunicadora Alana Adrielle à jornalista Laura Ferreira, em exclusividade para o Portal Interior da Bahia. Confira:

Interior da Bahia – Como, quando e por que aconteceu a sua demissão?

Alana: Minha demissão aconteceu no dia 08/11/2010, jamais irei esquecer este dia, eu estava em casa, de saída para buscar a pauta do jornal deste dia que era uma segunda-feira. Foi quando recebi uma ligação via celular do prefeito Lauro Falcão pedindo que suspendesse tudo que estava fazendo e fosse imediatamente para o Hospital Municipal, onde o mesmo me aguardava para uma conversa. Já desconfiada, pois por várias vezes passei por constrangimentos junto ao grupo do atual gestor, preparei um gravador para a tal “conversa”. O que não foi minha surpresa ao ouvir do mesmo que era pra eu me afastar da Rádio Gazeta e o meu jornal, que era veiculado de meio-dia às 13h30, seria suspenso por tempo indeterminado, talvez em março após uma construção de uma nova sede para a Rádio eu voltaria ao ar. Mas claro que gato escaldado tem medo de água fria e logo percebi que era uma manobra de vingança, por eu ter passado a agir de forma coerente com o Estatuto de Radiodifusão Comunitária, algo que ia contra os interesses políticos encobertos pela Emissora, que culminou com as críticas feitas pelo povo a um Secretário do Governo Municipal.

Interior da Bahia: Por que o Prefeito Lauro Falcão lhe demitiu, ao invés do diretor da Rádio fazer isso?

Alana: Acredito que foi pela questão de que eu fazia parte do grupo dele, politicamente, sendo assim ele achou que eu seria manipulada, por ele ser concunhado do diretor da Gazeta, pois a irmã da esposa dele é casada com o diretor Alexandre Giffone. Por isso, acho que foi uma forma de “tapear”, me oferecendo um cargo na Prefeitura. Ele achou que ele mesmo falando comigo seria mais tranquilo, pelo fato de que eu gostava muito dele, tinha verdadeira adoração, mas nunca imaginava ser traída desta forma tão mesquinha por conta de um pedido de um Secretário que se sentiu ofendido com uma matéria de meu jornal e pediu a ele minha cabeça e ele a deu de bandeja.

Interior da Bahia: Qual o vínculo do prefeito com a Rádio Gazeta FM?

Alana: Ele é concunhado do atual diretor, ou seja, a mulher dele é irmã da esposa do diretor, e por isso ele tem certa influência na emissora, como por exemplo, quando ia ao meu jornal dar entrevistas, o telefone, mensagens de celular e também o horário, eram sempre manipulados.

Lembro de uma vez que ele foi dar uma entrevista que passou trinta minutos do horário final do jornal, ou seja, de uma e meia da tarde o jornal acabou às duas da tarde, e ao sair muitas pessoas vinham pra frente da rádio pra pedir coisas a ele, ficava cheia de gente a porta da emissora.

Interior da Bahia: Na gravação o prefeito lhe faz algumas propostas, você pode especificá-las?

Alana: De inicio eu iria para a Prefeitura e seria nomeada Assessora de Comunicação, junto com a atual Tina Oliveira. Só que eu iria fazer trabalhos nas ruas, e o foco principal seria bairros onde estariam em andamento obras municipais. O mais absurdo disso foi o pedido que me foi feito, que estas matérias seriam levadas ao ar no seu programa político da Radio Jacuípe, mas com uma condição, que as partes em que se falasse mal seriam omitidas, e eu passaria a receber R$ 400,00 e voltaria a receber uma cota semanal de gasolina, a mesma havia sido suspensa há dois meses sem maiores explicações.

Interior da Bahia: Você disse em entrevista que o prefeito revela precisar muito da Rádio Gazeta FM, registrada como Comunitária. Na sua opinião, como ele se serve da Rádio?

Alana: Como forma de defendê-lo e promovê-lo, pois ele pretende ser candidato a Deputado nas eleições de 2014. Chegou até a dizer que pretende tirar DRT pra radialista, pra quê eu não sei. E mais, as obras de construção da nova sede da rádio, vizinha a atual, é ele quem está praticamente custeando, só não sei como, mas o prefeito tem dado uma boa ajuda nesta construção.

Interior da Bahia: No início de nossa entrevista você afirmou que todo mês ia na casa do prefeito receber das mãos dele pelo programa “Jornal Hora da Verdade” o valor de R$ 300,00. O pagamento dos outros funcionários era realizado assim também?

Alana: Dos outros eu não tenho certeza nem provas, mas alguns deles, se não todos, recebem algo do prefeito também, além das comissões de apoios culturais que na verdade são propagandas comerciais disfarçadas.

Interior da Bahia: Além do salário de R$ 300,00 o prefeito abastecia seu automóvel? Como era registrado esse pagamento em combustível?

Alana: É verdade, toda semana eu ia até o pai dele, o senhor João da Goméia, que é responsável pelos tickets de combustível, ele me passava a quantidade que era de 20 litros de gasolina. Quando eu não encontrava ele, ia para o Posto designado, o Posto Águia, e ligava no seu celular, então ele, via celular, autorizava o frentista a abastecer meu carro.

Interior da Bahia: Na rádio existem programas pagos? Quais são eles?

Alana: Segundo o que eu via nas reuniões, tem sim, e as propagandas chamadas de “Apoio Cultural” é feita mediante contrato e ao pagar o comerciante recebe das mãos do locutor um recibo, com timbre da radio e tudo. O que eu tenho mais certeza é do programa religioso das manhãs de domingo, apresentado pelo pastor Samuel. Os comentários internos são de que ele paga o valor de R$ 80,00 mensais por ir ao ar por quatro domingos ao mês. Certa vez, por não cumprir com este pagamento no prazo, ficou suspenso de ir ao ar, e gerou uma confusão grande lá na emissora internamente. O pastor Samuel, na época, eu soube que ele foi impedido de entrar na rádio e de apresentar o programa, e esta ordem teria partido do diretor por não ter constado ainda o pagamento daquele mês.

Interior da Bahia: Com base na Legislação de Radiodifusão Comunitárias, todos os pensamentos políticos ou religiosos existentes em uma comunidade devem ser convocados pela própria emissora para participarem da programação, e esse espaço jamais deve ser cobrado. Por que você, que esteve por tanto tempo na rádio, nunca deu espaço a outros partidos políticos além dos aliados do prefeito?

Alana: Tentei algumas vezes dar este espaço, mas, era barrada por alguns colegas e pela direção, certa vez o vereador José Nivaldo (Ninho) foi dar uma entrevista, após o jornal fui chamada ao escritório do JB Comercial, comércio do sogro do prefeito, o senhor Zé Vódio, onde trabalha o diretor Alexandre Giffone, e fui radicalmente chamada atenção. O mesmo disse que nenhum grupo de oposição ou outro que fosse fazer críticas a atual administração não poderia estar falando nos microfones da Radio Gazeta. Chegou até ser citada a frase “pessoas que são contra a gente, contra nosso grupo” não poderia ir até a Rádio Gazeta dar entrevistas. Uma certa vez até briguei e discuti por querer levar ao Jornal o vereador Carlos Matos, fui severamente podada e cheguei a ficar uma semana sem poder fazer o Jornal, que na época era apresentado por mim e outra locutora. A mesma ficou fazendo o jornal até minha volta, na semana seguinte, foi quando mudamos o formato e eu passei a apresentar sozinha.

Interior da Bahia: Você chegou a propor isso para o diretor?

Alana: Sim, mas ele não aceitava, era irredutível quanto a isso, e por algumas vezes antes de entrar no ar eu recebia ligações em meu celular indicando que algum fato político tinha acontecido, e de que forma era pra comentar no Jornal, se fosse a favor do prefeito era pra elogiar, levantar e por lá em cima. Se fosse algo negativo era pra abafar, se fosse algo de negativo da oposição era pra descer a madeira, esculachar, se fosse positivo pra oposição, era também para calar e sequer comentar.

Interior da Bahia: Sendo assim, quais eram de fato as recomendações do prefeito sobre a sua atuação, já que você não era livre?

Alana: Era sempre o de evitar falar de problemas do município, só era pra falar de um esgoto entupido, uma lâmpada queimada, um calçamento defeituoso, só, e mais nada. Problemas de grande proporção como o Ginásio de Esportes abandonado, as obras que nunca acabam, como o Matadouro Municipal e a Barragem e etc, não eram para serem mencionadas. Mas eu não concordava, e por ser teimosa passei de forma discreta a abrir espaço, na verdade dei uma de “Bocão” e aí foi quando gerou todo aquele comentário em torno do Secretario de obras que vinha fazendo um péssimo serviço, o mesmo foi até o prefeito e pediu minha demissão da emissora. O prefeito mentiu pra mim, fato que me deixou ainda mais chateada, pois ele disse que o motivo de meu “afastamento temporário” seria ações geradas pelos Mobilizadores Sociais e o Vereador Carlos Matos, tudo mentira, pois eu fui até a ANATEL em Salvador e descobri que na verdade não existe nenhuma denúncia lá. Agora sim, depois de minha demissão que estão vendo as irregularidades expostas aí pra quem quiser ver, pois até cego vê, aí sim, agora viram muitos processos, espero que no final de tudo isso, a diretoria da Associação mude, e a Rádio Gazeta Fm passe realmente a ser imparcial e Comunitária e mais ainda de todos os jacuipenses como deve ser. Agradeço desde já a oportunidade de dar esta entrevista e estarei sempre à disposição.

Matéria enviada por internauta da Bahia. Publicada no Blog “Noticias do dia”

Artigo Anterior

“Humor Verdade Sensacional” Por Ana Maria Palma

Próximo Artigo

Ex-governador condenado por autopromoção devolverá R$ 23 mil ao erário

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *