COLUNA DE MOISÉS MIGUEL

Autor: Nenhum comentário Compartilhe:

 

Moisés Miguel, 30 anos Advogado, Consultor e Administrador de Empresas é Socio e Presidente do site altiaqui.com.br e da $olution Facturing, Consultoria Empresarial, Empréstimos, Finaciamentos, Seguros, Negócios e Representações. Atua nas áreas de Gestão, Administração, Consultoria, Assessoria e Treinamento Empresarial, Consultoria em Agronegócios e Investimentos, Espeializado em Negociação, Idealista formado pelo SEBRAE, Tecnico em negociação de Imoveis, Tecnico em elaboração de Projetos para obtenção de recursos, Tecnico de defesa civil, em Altinópolis ja atuou no CONSEGUE, CONTUR, Posto de Atendimento ao Empreendedor-PAE, Alturnativa, Comissão de licitações publicas, Rotary Club, Conselho de Defesa Civil, Banco do Povo Paulista, Associação Esportiva, Advocacia entre outras. • Palestrante e Consultor nas áreas de Finanças Pessoais, Comece Certo seu Negócio, Motivação e Superação, Planejando a Abertura de Empresas, Metas, Orçamento, Atendimentos a Cliente, Tipos de Investimentos, e Como Lidar com Pessoas, Elaboração de Projetos e Plano de Negócios (BNDS, BB Caixa Federal), Negociação, Compra e Venda e Agronegócios


O PERIGO DA ARROGÂNCIA

 

Gostaria de começar este artigo com uma história oportuna que li na internet e reescrevo abaixo:

“Arrogância americana”
O diálogo abaixo é tido como verídico e foi travado em outubro de 1995 entre um navio da Marinha Norte Americana e as autoridades costeiras do Canadá, próximo ao litoral de Newfoundland.

Os americanos começaram educadamente:
— Favor alterar seu curso 15 graus para norte para evitar colisão com nossa embarcação.
Os canadenses responderam prontamente:
— Recomendo mudar o SEU curso 15 graus para sul.
O capitão americano irritou-se:
— Aqui é o capitão de um navio da Marinha Americana. Repito, mude o SEU curso.
Mas o canadense insistiu:
— Não. Mude o SEU curso atual.
A situação foi se agravando. O capitão americano foi se exasperando e berrou ao microfone:
— Este é o porta-aviõ es USS Lincoln, o segundo maior navio da frota americana no Atlântico. Estamos acompanhados de três destróieres, três fragatas e numerosos navios de suporte. Eu exijo que vocês mudem seu curso 15 graus para norte. Repetindo cinco graus norte, ou então tomaremos contramedidas para garantir a segurança do nosso navio.
E o canadense respondeu:
— Isto aqui é um farol. Câmbio!

Muitas empresas quebram pois a sua arrogância não permite que elas enxerguem a necessidade da mudança e de se mudar o curso. Às vezes a arrogância é tanta que pensam que quem tem que mudar é o cliente. Ou seja, se não gosta do nosso produto passar bem. Algumas empresas são tão arrogantes que diante de uma mudança drástica no cenário, no hábito do consumidor, preferem ficar estáticas e sem sequer repensar seus produtos e serviços.

O velho jargão que não se mexe em time que está vencendo não é verdadeiro. Muitas empresas que mantinham a pr imeira posição nos mais diferentes segmentos do mercado, hoje não passam de mais um belo case de marketing. De quem é a culpa? Com certeza de vários fatores mas principalmente da arrogância. Ela faz com que desprezemos o adversário, suas estratégias e que entremos numa zona perigosa de conforto. E quando nos damos conta o concorrente já nos engoliu, a empresa perdeu mercado e como dizem por aí: a vaca foi pro brejo.

A arrogância conquista vítimas tanto físicas como jurídicas. Ela pode destruir casamentos, profissões, relacionamentos e o próprio desenvolvimento profissional. A arrogância cega. Faz-nos parecer prontos, acabados, invencíveis e intocáveis.

A arrogância nos faz pensar de duas maneiras: ou nos achamos deuses ou temos certeza que somos!

A arrogância sempre produz alguns frutos meio duvidosos: ela sempre produz uma falsa sensação de superioridade, de agressividade aos outros e dá a má impressão que um tí tulo, posição ou cargo podem definir um ser humano.

Aliás, se você está lendo este artigo até agora isto já pode ser um excelente sinal pois os arrogantes dizem que não precisam de informação e que tudo o que é diferente do que eles pensam não passa de bobagens e de perda de tempo.

A arrogância nunca anda sozinha. Ou ela atrai puxa sacos, pessoas falsas ou igualmente arrogantes ou ela atrai a solidão. Afinal quem agüenta um arrogante? Quem sabe nem ele próprio.

Não deixe a arrogância pegar você ou sua empresa.

 

 

Artigo Anterior

VENDO GOL 97 MI 1.0 8V

Próximo Artigo

II Bienal de Psicanálise e Cultura acontece em maio de 2010

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *